18/11/2021

Relações entre má oclusão, postura corporal e patologia nasofaríngea em crianças pré-ortodônticas

Por lbotler

figura 1

 

Monika Šidlauskienė 1Dalia Smailienė 1Kristina Lopatienė 2Emilis Čekanauskas 3Rūta Pribuišienė 4Mantas Šidlauskas 1

 

Introdução Maloclusão, postura corporal e padrão respiratório podem estar correlacionados, mas esse assunto ainda é controverso. O objetivo do estudo foi examinar a relação entre o tipo de má oclusão, postura corporal e obstrução nasofaríngea em crianças de 7 a 14 anos.

Material e métodos: O grupo de estudo foi composto por 94 pacientes com idades entre 7 e 14 anos (média ± DP: 11,9 ± 2,1 anos); 44 (46,8%) homens e 50 (53,2%) mulheres. Todos os pacientes foram aprovados no exame realizado pelo mesmo ortodontista (modelo de estudo e análise cefalométrica), cirurgião ortopédico (postura corporal examinada de frente, lado e costas) e otorrinolaringologista (rinoscopia anterior e posterior e faringoscopia) de forma cega.

Resultados: Alterações posturais foram observadas em 72 (76,6%) pacientes. Hipertrofia de adenóides foi diagnosticada em 54 (57,4%) pacientes, hipertrofia de amígdalas em 85 (90,3%), desvio de septo nasal em 51 (54,3%) e rinite alérgica em 19 (20,2%) pacientes. Houve correlação estatisticamente significativa entre a presença de postura cifótica e a redução do ângulo SNB, que representa a posição sagital da mandíbula. Além disso, houve uma associação estatisticamente significativa entre a postura cifótica e obstrução nasofaríngea (54,1% dos pacientes com obstrução nasofaríngea eram cifóticos, em comparação com 25% dos pacientes sem obstrução nasofaríngea; p = 0,02). Postura cifótica e ângulo SNB reduzido foram mais comuns entre os homens.

Conclusões: Concluímos que: 1) houve associação significativa entre a posição sagital da mandíbula (ângulo SNB) e a postura cifótica; 2) a postura cifótica foi significativamente mais comum em pacientes com obstrução nasofaríngea.