Minimizando o avanço mandibular em um aparelho oral para o tratamento da apneia obstrutiva do sono.

Minimizando o avanço mandibular em um aparelho oral para o tratamento da apneia obstrutiva do sono.

12/11/2018 0 Por lbotler

ANITUA E1, Durán-Cantolla J2, GZ3 de Almeida, Alkhraisat MH4.

 

OBJETIVO:

No tratamento da apneia obstrutiva do sono (aos) com um aparelho oral (OA), não há nenhum método padrão-ouro para afinar o avanço mandibular. Este estudo objetivou analisar o efeito do incremento gradual de avanço mandibular, sobre a evolução do índice de apneia-hipopneia (IAH).

Numa unidade de sono foram recrutados pacientes OSA. Todos os tratamentos começaram com um aparelho oral sem avanço mandibular. Depois de duas semanas, o AHI foi avaliado com poligrafia respiratória .O  Avanço mandibular foi iniciado com um tamanho de passo de 1 mm e evolução no AHI foi avaliada. A saliência do alvo foi o que alcançou a maior redução de AHI e menos efeitos colaterais. Obtiveram-se dados antropométricos, questionário de sono e pontuação de escala de sonolência de Epworth.

 

RESULTADOS:

Trinta e seis pacientes (22 homens) participaram deste estudo. A idade média do paciente foi 57 ± 12 anos e o índice de massa corporal foi de 25,4 ± 4,1 kg/m2. O aparelho oral reduziu o AHI de 20,8 ± 12,9/h a ± 8,4 5.1/h (P = 0.000). Dez dos 26 pacientes com ≥ 50% de redução no AHI (39%) tinha zero avanço. O avanço mandibular médio foi 1,7 ± 1,5 mm alcançar ≥ 50% redução no AHI em 72% dos pacientes. Vinte e sete pacientes tiveram um AHI < 10/h. Dos 21 pacientes com OSA moderada a severa, 17 teve a maior diminuição da AHI em um avanço mandibular ≤ 3 mm.

 

CONCLUSÕES:

Monitorar os sintomas subjetivos da evolução paciente e objetiva no AHI poderia minimizar o avanço mandibular, necessário para o tratamento de OSA.

Med. sono 2017 Jun; 34:226-231. doi: 10.1016/j.sleep.2016.12.019. 29 de Jan ePub 2017.