Diretriz de prática clínica para o tratamento da apnéia obstrutiva do sono e ronco com aparelho Oral: uma atualização para 2015.

22/07/2015 0 Por lbotler

[slideshow_deploy id=’343′]

Diretriz de prática clínica para o tratamento da apnéia obstrutiva do sono e ronco com aparelho Oral: uma atualização para 2015.

J Clin sono med 2015 11 de Jun. PII: jc-00186-15.

Ramar K LC Dort, Katz SG, CJ Lettieri, Harrod CG, Thomas SM, Chervin Rd.

INTRODUÇÃO:

A partir de trabalhos publicados  de revisão sobre aparelhos orais (OEA) em 2006, a literatura científica relevante tem crescido consideravelmente, particularmente em relação aos desfechos clínicos.
O objetivo desta nova orientação é substituir os anteriores e atualizar as recomendações para o uso da OEA no tratamento da apnéia obstrutiva do sono (aos) e ronco.

MÉTODOS:

A academia americana de medicina do sono(EAMA) e a academia americana de medicina Dental do sono (AADSM) recrutaram uma força tarefa de sete membros para este trabalho

Foi realizada uma revisão sistemática da literatura e um processo de classificação de recomendações avaliação, desenvolvimento e avaliação (grau) modificado foi utilizado para avaliar a qualidade das provas.
A força-tarefa desenvolveu recomendações e atribuiu pontos fortes em função da qualidade das evidências contrabalançada por uma avaliação da vantagem relativa do tratamento contra os danos potenciais.
O Conselho de Administração da AASM e AADSM aprovaram as recomendações da diretriz final.

RECOMENDAÇÕES:

1. Recomendamos que os médicos  de sono prescrevam aparelhos orais, ao invés de nenhuma terapia, para pacientes adultos que solicitam o tratamento do ronco primário (sem apnéia obstrutiva do sono). (PADRÃO);

2. quando a terapia do aparelho oral é prescrita por um médico do sono para um paciente adulto com apnéia obstrutiva do sono, sugerimos que um dentista qualificado instale um aparelho personalizado, titulável sobre dispositivos orais não-personalizado. (ORIENTAÇÃO);

3. Recomendamos que os médicos do sono considerem prescrição de aparelhos orais, ao invés de nenhum tratamento, para pacientes adultos com apnéia obstrutiva do sono que são intolerantes a terapia por CPAP ou prefere terapia alternativa. (PADRÃO);

4. sugerimos que dentistas qualificados forneçam supervisão melhor do que nenhuma terapia de follow-up do aparelho oral em pacientes adultos com apnéia obstrutiva do sono, a vistoria para efeitos colaterais relacionados com a  alterações dentarias ou  oclusais e reduzir a sua incidência. (ORIENTAÇÃO);

5. sugerimos que os médicos do sono realizem testes de acompanhamento sono para melhorar ou confirmar a eficácia do tratamento, ao invés de realizar o acompanhamento sem sono, testes, para pacientes, equipados com aparelhos orais. (ORIENTAÇÃO);

6.  sugerimos que médicos do sono e dentistas qualificados instruam pacientes adultos tratados com aparelhos orais para apnéia obstrutiva do sono retornarem   para visitas periódicas nas clinicas  a não acompanhamento com um dentista qualificado e um médico do sono. (ORIENTAÇÃO).

CONCLUSÕES:

A AASM e AADSM esperam que estas orientações tenham um impacto positivo no comportamento profissional, nos resultados dos pacientes e, possivelmente, os custos de cuidados de saúde.

Essa diretriz reflete o estado do conhecimento no momento da publicação e serão necessárias atualizações, caso novas provas garantam  mudanças significativas nas recomendações atuais.